Notícias

Homeopatia na ajuda ao parto

Quando em Portugal se co­me­ça a fa­lar na ne­ces­si­da­de de vol­tar ao par­to na­tu­ral, pro­cu­ran­do evi­tar o mais pos­sí­vel a ce­sa­ri­a­na, de­fen­den­do os efei­tos be­né­fi­cos que es­te apre­sen­ta pa­ra a mãe e pa­ra o be­bé, aju­dar a fu­tu­ra mãe a fa­zê-lo de for­ma con­tro­la­da e se­gu­ra é um ob­je­ti­vo fun­da­men­tal. Assim, é tam­bém nes­te cam­po que a Homeopatia po­de ser pre­ci­o­sa, tan­to na pre­pa­ra­ção do tra­ba­lho de par­to co­mo no pós-par­to.

Vários paí­ses eu­ro­peus usam pro­to­co­los ho­me­o­pá­ti­cos pa­ra o par­to. Em Portugal, es­se uso é ain­da tí­mi­do e de na­tu­re­za mui­to par­ti­cu­lar, es­sen­ci­al­men­te pra­ti­ca­do a ges­tan­tes que se fa­çam acom­pa­nhar por pro­fis­si­o­nais de saú­de com co­nhe­ci­men­tos de Medicina Homeopática.

Refira-se, que os me­di­ca­men­tos ho­me­o­pá­ti­cos po­dem ser usa­dos sem qual­quer con­train­di­ca­ção pa­ra a mãe e pa­ra o be­bé. Têm na sua ori­gem subs­tân­ci­as na­tu­rais, su­jei­tas a um pro­ces­so que pas­sa por vá­ri­as di­lui­ções e di­na­mi­za­ções su­ces­si­vas, não apre­sen­tan­do qual­quer grau de to­xi­ci­da­de.
Estes me­di­ca­men­tos além de ace­le­rar o tem­po de ex­pul­são do be­bé, por se­rem fa­ci­li­ta­do­res da di­la­ta­ção, tam­bém po­dem ser es­co­lhi­dos pa­ra atu­ar no es­ta­do an­si­o­so, tão co­mum nes­tas si­tu­a­ções.

É nos­sa opi­nião que o ho­me­o­pa­ta que tem acom­pa­nha­do a grá­vi­da de­va fa­zer par­te da equi­pa de pro­fis­si­o­nais que a vão as­sis­tir ao tra­ba­lho de par­to e os me­di­ca­men­tos de­vem ser pres­cri­tos em fun­ção dos sin­to­mas que o pa­ci­en­te re­la­ta, pa­ra­le­la­men­te com a lei­tu­ra e mo­ni­to­ri­za­ção car­dio fe­tal do obs­te­tra. Assim, a me­di­ca­ção ho­me­o­pá­ti­ca sur­ge sem­pre em res­pos­ta a uma si­tu­a­ção da par­tu­ri­en­te de na­tu­re­za fí­si­ca ou psi­co­ló­gi­ca num tra­ba­lho in­te­ra­ti­vo da equi­pa clí­ni­ca.

Embora sai­ba­mos, que a pres­cri­ção ho­me­o­pá­ti­ca é uma ques­tão in­di­vi­du­al apre­sen­ta­mos de for­ma es­que­má­ti­ca um pro­to­co­lo bá­si­co pa­ra o par­to, que é trans­ver­sal na ge­ne­ra­li­da­de dos ca­sos :

Conhecer es­tes me­di­ca­men­tos se­gun­do a sin­to­ma­to­lo­gia e a mo­da­li­da­de :
Arnica Montana – sen­sa­ção de con­tu­sões com do­res, que me­lho­ram pe­lo to­que e pro­pri­e­da­des he­mos­tá­ti­cas.
Gelsemium – ri­gi­dez do co­lo ute­ri­no e gran­de emo­ti­vi­da­de as­so­ci­a­da a me­do.
Actea Racemosa – do­res ir­re­gu­la­res que ir­ra­di­am pa­ra as an­cas e lom­ba­res, sen­ti­men­tos de an­gús­tia e ir­ri­ta­bi­li­da­de, ten­dên­cia a co­brir-se.
Caulophyllum – har­mo­ni­za­dor das con­tra­ções ute­ri­nas, fa­ci­li­ta­dor de di­la­ta­ção do co­lo ute­ri­no.
China – as­te­nia de­vi­da a gran­de per­da de san­gue.
Staphysagria – quan­do há in­ter­ven­ções com cor­te de te­ci­do (epi­si­o­to­mia), fa­ci­li­ta a ci­ca­tri­za­ção.
Sepia – de­pres­são, sen­sa­ção de es­tar aban­do­na­do, não quer ser con­so­la­do.

O co­nhe­ci­men­to da Matéria Médica aju­da­rá na apli­ca­ção de ou­tros me­di­ca­men­tos ho­me­o­pá­ti­cos de acor­do com a in­di­vi­du­a­li­da­de e a sin­to­ma­to­lo­gia do pa­ci­en­te.

Dra. Emília Morais Branco

Curso de Homeopatia (Programa Europeu 1995 – 1998) com o Patrocínio Científico da Sociedade Portuguesa de Homeopatia ; Pós-gra­du­a­ção e atu­a­li­za­ção em me­di­ca­men­tos ho­me­o­pá­ti­cos 2016/​2017 – FFUL, le­ci­o­na­do com Certificação CEDH. Diretora do Espaço de Saúde Embranco.